“Ver o que acontece dentro do seu país
e para além da fronteira”*
A temática do semestre — “Quem tem medo da...” política? — colocou cada aluno numa posição única que alia a sua experiência direta à hipótese de ação como intermediário socio-cultural, ou seja, posiciona a sua atividade projetual entre a autobiografia e o registo jornalístico. “Ver o que acontece dentro do seu país e para além da fronteira” permitiu a tomada de posição dos alunos face ao seu tempo — formulando as questões mais pertinentes e explorando, via projeto, possíveis respostas. Estes poderiam configurar-se como artefactos e/ou eventos: produção editorial, exposições, instalações, ciclos de cinema, modelos de ensino-aprendizagem (como conferências, seminários, salas de leitura, workshops, cursos alternativos, etc.), tertúlias, festivais, concertos, performances, entre outros. Cartografias da crise, pensar a periferia (no interior das cidades, entre cidade e campo, na Europa, no Mundo), o “Sul como estado de espírito”, o pessoal (também) é político (exploração das políticas de igualdade), juventude e política, a universidade como espaço político, políticas de sustentabilidade económica/ecológica, política e práticas artísticas (arte política e política da arte), foram os motes projetuais que instigaram o desenvolvimento dos projetos.

* Frase proferida por Salvador Allende enquanto discursava para os estudantes da Universidade de Guadalajara (México), a 2 de dezembro de 1972.
Nome do projecto